Vovô Rato

Ratinho de madeira

Foto editada Régine Ferrandis Foto editada Régine Ferrandis

O grande invento de Douglas Engelbart

Quando Douglas Engelbart morreu, em  2013, recebeu notas discretas nos obituários dos jornais. O americano estava com 88 anos. Faleceu em casa vítima de insuficiência renal e de acúmulo de experiências.

Na minha opinião, a notícia de sua morte valeria ser manchete. Pois o cara simplesmente inventou o mouse. Em 1968, enquanto Paris ardia nas mãos da juventude e o Brasil esfriava com o AI-5, Engelbart apresentava seu invento em uma conferência em San Francisco. Era a estreia do ratinho infernal.

Um dispositivo que mudaria o mundo e a nossa maneira de nos relacionarmos com computadores. O protótipo de Engelbart era de madeira, mas servia para acionar comandos. O público da conferência – formado por nerds, cdfs, engenheiros, curiosos – ficou boquiaberto.

É claro que entre o protótipo e o produto final, muitos bits passaram pelas garagens e empresas californianas. O mundo então não conhecia os computadores pessoais e muito menos a internet comercial. Ainda estávamos na época dos imensos processadores acessados por cartões perfurados.

Mas Engelbart, engenheiro eletrônico e pesquisador do tipo visionário, intuía um futuro no qual pessoas comuns, sem conhecimentos técnicos, poriam as mãos na tecnologia digital. Ele também contribuiu para a criação da interface gráfica usuário-máquina e para o desenvolvimento da própria internet.

Foto de Douglas Engelbart

Douglas. Fonte Google

O mouse seria popularizado na metade da década de 1980 pela Apple, quando a empresa era pura invenção e irreverência. O invento do vovô Douglas inspirou os dois Steves – Jobs e Wozinac – na concepção do Macintosh. O que aconteceu depois, a gente conhece.

Também não esqueço da primeira vez que usei um mouse. Uma loucura! Os ícones do windows pareciam despregar da tela, alcançar a janela e ganhar a rua Capote Valente, em Pinheiros. Treinei por três dias seguidos. Verdade que hoje prefiro o trackpad ao rato. Mas é tudo a mesma coisa.

Fiquei comovida quando li que Douglas Engelbart havia nos deixado. Creio que devemos muito a ele e a seus inventos. Junto à emoção, matutei que os computadores pessoais já têm uma história. Ufa, estamos envelhecendo.

Conheça a coluna Diário Digital


Tags: , , ,

Comente

8 respostas para “Vovô Rato”

  1. vera simonetti disse:

    Obrigada por contar essa história, que desconhecia. Como tantas outras…

    • Fernanda Pompeu Fernanda Pompeu disse:

      Vera querida, às vezes penso as histórias “desconhecidas” ou pouco conhecidas encheriam 1000 planetas.
      Obrigada pela leitura. Sempre.

  2. Marisa Paifer disse:

    Como é gostoso aprender com você Fernanda!

  3. Cristina Gonçalves disse:

    Já conhecia a história, mas na sua “pena” ficou mais saboroso!

  4. Kelva disse:

    Minha querida vocé tem Dom…
    Carinhos

Deixe uma resposta

Antes de enviar, por favor resolva a questão: *