Paris – Grafite

Dentro e fora

Art Afrique Foto Fernanda Pompeu Art Afrique Foto Fernanda Pompeu

Falou em Paris pensou em museus. Afinal a cidade é o endereço do Louvre, do Orsay, do Rodin, da Fondation Louis Vuitton. Passam trem, avião, bicicleta, carro, ônibus, metrô, gerações e as filas não param. Toda a gente sai com a cara feliz depois das visitas. É também a celebração dos originais.  Quem, num mundo de cópias vertiginosas, não gosta de olhar para a Mona Lisa (a verdadeira)?

Mas museus têm curadores, ordenação estética, percursos planejados que ajudam a nossa emoção. São também almoços pagos. Ontem para curtir a exposição de arte africana na Louis Vuitton, deixei 18 euros na bilheteria. Valeu cada centavo. Mas o que é pago não é para todos os olhos.

Bem diferente da arte de rua – o grafite. Essa se estampa nos muros, das paredes, nas ruas onde passamos. Faz uns dias, flanando por Belleville dei de cara com uma travessa toda grafitada.

Parede grafitada em Paris

Foto Fernanda Pompeu

Logo percebi que as casas e o pequeno comércio estavam desocupados. Lugares sem donos são territórios abandonados. Então há uma ocupação – ao menos simbólica – da área. Como se fosse uma lousa vazia clamando por letras e números, por significantes.

Grafite em rua de Paris

Foto Fernanda Pompeu

Não apenas isso. Na arte do grafite, há uma estrondosa contemporaneidade. Uma vontade apressada e inclemente de expressar os conflitos, as violências, as contradições que nos acossam. Uma expressão que reivindica a própria expressão. Há também, segundo uma tradição plástica, algo grosseiro nos traços. Uma taxa de sutileza baixa. Parece uma manchete sem o corpo da notícia: Olha, estou aqui! Olha, quero mostrar a sujeira da sociedade. Olha, estamos todos no mesmo barco. À deriva.

grafite parisiense

Foto Fernanda Pompeu

O sentimento que eu tenho é de um diálogo entre o que cabe dentro dos museus – arte ordenada e essa arte extra-muro. Grafites não têm curadorias e nem bilheterias. Grafites não pedem licença ao nosso olhar. Não existem sob demanda. Não somos nós que os procuramos. Eles é que nos encontram.

belleville grafitada

Foto Fernanda Pompeu

Brinde

Leia também Paris – Em busca do pai


Tags: , , ,

Comente

5 respostas para “Paris – Grafite”

  1. Marisa Paifer disse:

    Que viagem fecunda tem sido essa!
    E você acreditou que escreveria um pouco menos durante essas férias!
    Tá!

    • Fernanda Pompeu Fernanda Pompeu disse:

      Marisa, bom dia! Pois é. Escrever é uma coceira sem fim. Na próxima segunda, chegarei em Sampa. Acho que vou precisar tirar férias das férias.

  2. Schuma Schumaher disse:

    Fê …. é uma delícia e uma viagem ler tuas observações iluminadas sobre a “cidade luz”. Como sempre, tua sensibilidade e maneira de contá-la é um deleite.

Deixe uma resposta

Antes de enviar, por favor resolva a questão: *