Júlia fechada à chave

 Júlia Lopes de Almeida (1862-1934) Com a palavra: “Pois eu, em moça, fazia versos. Ah! Não imagina com que encanto. Era como um prazer proibido (…)…

Fonte: Revista Abre-Alas, REDEH Fonte: Revista Abre-Alas, REDEH

 Júlia Lopes de Almeida (1862-1934)
Com a palavra:

Pois eu, em moça, fazia versos.
Ah! Não imagina com que encanto.
Era como um prazer proibido (…)
Fechava-me no quarto, bem fechada, abria a secretária,
estendia pela altura do papel uma porção de rimas.
De repente, um susto. Alguém batia à porta.
E eu, com a voz embargada, dando a volta à chave da secretária, dizia:
Já vai, já vai.

Conheça mais da Júlia


Tags: , , ,

Comente

2 respostas para “Júlia fechada à chave”

  1. regina disse:

    A Júlia é brava nas coisas do seu intelecto privilegiado. Mas penso que isso é invenção nossa. Ela não se via assim. Era, isso sim, uma formiguinha brilhante das letras, trabalhadora da pena, provavelmente incansável, sempre com suas invencionices a nos alegrar. Mas estava lá, guardadinha nas dobras do tempo, ainda que um talento e tanto, e um tanto igualmente pelo esforçado do volume de sua produção literária. E grata sou porque quem nos trouxe Júlia foi sua amiga formiguinha, mas de outros tempos, em igual talento e grandeza, a nossa querida Fernanda Pompeu.

  2. Fernanda Pompeu Fernanda Pompeu disse:

    Regina, gostei do seu comentário e muito. Tô pensando nele e confirmando que “o como” as outras pessoas nos enxergam nem sempre coincide como a gente se vê. As pessoas nos inventam (também). No mais, aproveito para desejar um Feliz Natal e um 2017 melhor. Beijo grande, F.

Deixe uma resposta